Junta de Freguesia de Cucujães

Logo JF Cucujaes

Supra: Símbolo que identifica Cucujães e sua simbologia.

Brasão: Escudo de negro, leão de prata segurando nas mãos um báculo de ouro; em chefe um escudete de Portugal antigo. Coroa mural de prata de quatros torres. Listel vermelho com a legenda a negro em maiúsculas: “VILA DE CUCUJÃES“.

Bandeira: De branco, cordões e borlas de prata e negro. Haste e Lança de ouro.

Selo Branco:
 Circular, com peças do escudo envolvidas por dois círculos concêntricos onde corre a legenda “Junta de Freguesia da Vila de Cucujães”.

 

História

Cucujães é um importante centro cultural e histórico. O seu nome provém do latim “cucullianis”, ou seja, elevação de terreno, montão. Nesta terra, D. Egas Odoriz – guerreiro da reconquista – fundou, nos finais do Século XI, um Mosteiro Beneditino. Cucujães foi coutado por D. Afonso Henriques em 7 de Julho de 1139, na véspera da batalha de Ourique.

A história de Cucujães é uma autêntica relíquia para os investigadores do passado.

Região fértil e de condições bastante privilegiadas, esta freguesia desde cedo atraiu povos das mais remotas culturas. Mós, uma ponta de lança de pedra polida, machados de pedra e de bronze e uma ponta de flecha de cobre, são alguns dos vestígios aqui encontrados de épocas pré e proto-históricas que provam esta teoria. Supõe-se que entre os habitantes primitivos estariam também os Turdulos ou Turdetanos que habitaram a região onde se poderá incluir Cucujães. Mais tarde vieram os romanos e com eles o topónimo actual, que provém do canto do cuco (em latim “Cuculus”). Depois, os suevos, os visigodos e os árabes.

Em 7 de Julho de 1139 o couto de Cucujães, instituído por D. Afonso Henriques, foi doado ao Mosteiro Beneditino, nas vésperas da famosa Batalha de Campo de Ourique, nas pessoas de D. Martinho e de D. Egas Odoriz.

O couto de Cucujães foi elevado a Vila em 11 de Junho de 1927. Este feito resultou de um movimento intelectual nascido em Cucujães, logo a seguir ao golpe militar de 28 de Maio de 1926. Foi a Junta de Paróquia quem solicitou ao governo da ditadura militar a elevação do couto de Cucujães a Vila. Passou a denominar-se, então, Vila de Cucujães.

Por esquecimento da Junta de Paróquia, a palavra “Couto” desapareceu oficialmente do nome desta freguesia aquando a elevação a Vila. No entanto, actualmente, esta terra ainda é reconhecida por “Couto”. Afinal, Cucujães foi Couto durante mais de seiscentos anos.

Executivo da Junta de Freguesia

Presidente – Simão da Costa Godinho

Secretária – Ana Susana Pinto da Fonseca

Tesoureiro – Almiro Ribeiro de Almeida

Vogal – Olga Maria Vidinha Lopes Freitas

Vogal – Joaquim dos Santos Costa

Assembleia de Freguesia

Presidente – António Gonçalves Gomes (PS)

Secretário – Mário da Silva Leite (PS)

Secretária – Maria Orlanda Soares de Bastos (PS)

Paulo César Rodrigues Neto (PS)

Jorge Augusto Amorim Ascenção (PS)

Sónia Alexandra Gomes de Oliveira (PS)

António Jorge Cabral Nogueira (PS)

Fernando José Andrade dos Santos (PS)

Maria Margarida da Silva Costa Santos (PS)

Gracinda Rosa Moreira de Pinho Leal (PSD)

António Pedro Barbosa Tavares Ferreira (PSD)

Ana Margarida Neto de Amorim (PSD)

António Armando da Silva Lopes (PSD)

 

Mais informação no site da Junta de Freguesia no endereço: jfcucujaes.pt

 

As escolas participantes nas atividades propostas pela Comissão Consultiva da Cultura da Junta de Freguesia:

ESCOLA DR. FERREIRA DA SILVA E ESCOLA DA GANDARINHA.

 

Relativamente aos seus patronos:

ANTÓNIO JOAQUIM FERREIRA DA SILVA

Eminente químico e professor, levantado no terreiro do convento, em meio de velhas árvores em 1924, pelos seus conterrâneos, no ano seguinte ao do falecimento: forte pedestal com o busto em bronze, assinado por Teixeira Lopes, 1922. Atualmente, a família e a Junta de Freguesia reergueram o seu busto no Largo da Igreja depois de ter sido alvo de furto.

 

CONDESSA DE PENHA LONGA

Clementina Libânia Pinto Leite, dotada de esmerada educação, fundadora do Asilo da Gandarinha, actual Fundação Condessa de Penha Longa, bem como a Escola Agrícola de Massamé, em Sintra, alcançou estima e admiração de todas as classes sociais no largo círculo das suas relações. Os seus conterrâneos também souberam apreciar a bondade de coração e admirar a dedicação da estimada condessa. Foi construída uma Estátua da Condessa da Penha Longa próximo da fundação.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *